quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

#repense2018 e não seja gordo

Alguns dias atrás vi um comercial da Vivo que mostra uma mulher plus size fazendo cara de toda-poderosa enquanto exibe seu corpo curvilíneo e fala sobre como aprendeu a ser feliz apesar de sua forma física. 

Vejam com seus próprios olhos, é um vídeo curto: 


No vídeo a mulher expõe o histórico de bullying sofrido em razão de seu peso, e depois diz: "Sou gostosa pra caramba. Eu nunca achei, mas hoje em dia eu me olho no espelho e falo 'gente, que mulherão!'".

O nome do comercial da Vivo é "#repense2018: Meu corpo, minhas regras", então já dá pra ter uma noção das duas mensagens que se pretende transmitir: 

1) Você é gordo? Tudo bem! Aceite-se e seja feliz assim. 
2) A sociedade está mudando e a gordofobia não terá mais vez.


Desde quando a Vivo se importa com gordos?  A resposta é simples: desde nunca.

Acabei de passar os últimos 40 minutos olhando dezenas de comerciais da Vivo anteriores a essa campanha e na absoluta maioria das propagandas simplesmente não há gordos. A parada é tão bizarra que não há gordos nem mesmo entre aqueles figurantes inúteis que costumam aparecer no fundo dos comerciais! 

Sem brincadeira, acho que olhei uns 25 comerciais diferentes, e somente dois tinham gordos: o primeiro é o do Luiz Felipe Scolari sendo prensado por um gordo no avião, e o outro é de um gordo fazendo biquinho com uma papada de 3kg embaixo do queixo - ou seja, as únicas duas propagandas da Vivo em que gordos aparecem exploram justamente o aspecto cômico da gordice.

Tudo bem que agora nessa campanha #repense2018 um publicitário descolado percebeu que fingir que é contra gordofobia pode aumentar as vendas, mas isso não afasta a grande realidade:


Aliás, o fato de 99% dos comerciais da Vivo não terem absolutamente nenhum gordo nem mesmo como figurante demonstra que a empresa não só não se importa, como tem convicção de que ser gordo é algo indesejável, a não ser que seja para provocar risadas (vide comercial do Felipão e do gordo fazendo biquinho).

E eu sinceramente não culpo a Vivo por pensar dessa forma. Tirando o #repense2018, que como já demonstrei é pura hipocrisia oportunista da Vivo, todos os demais comerciais da empresa são um mero reflexo da percepção social que a absoluta maioria da população brasileira (pra não dizer mundial) têm sobre o assunto: ser gordo é ruim.

Podem fazer quantos comerciais quiserem fingindo que agora tá liberado ter orgulho de ser gordo, pode chorar nas redes sociais por igualdade de tratamento o quanto quiser também, a percepção do gordo como uma condição ruim não vai mudar.

Ser gordo está intrinsecamente associado com um monte de merda, como por exemplo preguiça, inatividade, desleixo, baixa atratividade, assexualidade, infelicidade, falta de higiene, insucesso, pouca saúde...

É tanto atributo negativo que uma pessoa tem muito mais a ganhar emagrecendo do que sendo o militante que luta contra o desprezo que a população mundial tem pelo sobrepeso.

Madruga, você está sendo gordofóbico
Não estou escrevendo o post de hoje para ofender ninguém. Estou apenas dando a real e dizendo o que todo mundo consciente ou inconscientemente pensa sobre o assunto: ser gordo é ruim e te associa a várias negatividades, muitas vezes de uma forma injusta, mas ninguém se importa com essa injustiça.

Se você está gordo por qualquer motivo que seja, não acredite no comercial da Vivo tentando te convencer de que está tudo bem. A Vivo só quer ganhar sua simpatia com o discurso da moda para depois tentar te convencer a trocar seu plano de R$ 49,00/mês por um de R$ 150,00.

O começo de ano é sempre uma boa oportunidade para iniciar mudanças positivas na sua vida. Se você está gordo, emagreça e viva uma vida melhor. Eu sei que não é fácil, eu particularmente já fui gordo por uns anos e sempre luto contra meu metabolismo bosta pra não voltar a ser, mas essa é uma luta que vale muito a pena.

Aquele abraço!

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Pobre Catarrento (2013 - 2017)

Este é o centésimo post aqui no blog e gostaria de aproveitar essa marca para prestar minhas homenagens a uma das pessoas que me inspiraram a criar o Seu Madruga Investimentos: o blogueiro Pobre Catarrento, cujo desaparecimento completa um ano nesta data. 

Na ativa desde 2013, Catarrento se tornou milionário no fim de 2015, e vinha injetando seu capital em um empreendimento imobiliário cujos detalhes desconhecemos.

Ele fez seu último post em 04/01/2017, em que demonstrou um certo desânimo com o trabalho e especialmente com o fato de que parte relevante de seu capital estava imobilizado no tal empreendimento.

No post em questão ele demonstrou também uma certa propensão a entrar menos na internet e desenvolver hobbies offline, mas nada que indicasse que jamais atualizaria seu blog novamente.

O que será que aconteceu com o Pobre Catarrento? Será que deu azar no empreendimento imobiliário e o milhão foi pro brejo? Ou será que deu tudo certo e o seu milhão duplicou, tal qual ele pretendia? Acho difícil ele voltar depois de um ano, então pelo visto jamais saberemos.

Pobre Catarrento, Pobre Requenguela, Dr. Honorários, Pobretão de Vida Ruim e dezenas de outros... assim é a blogosfera de finanças, cheia de histórias contadas pela metade.

Aquele abraço!

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

2017 e a vida padrão do trintão de classe média

Em 2017 completei 30 anos e, talvez por ser uma marca simbólica na vida de qualquer pessoa, passei a prestar mais atenção no que está acontecendo ao meu redor.

Eu não sei em que fase da vida vocês leitores se encontram, mas no meu caso de recém-trintão o que aconteceu foi o seguinte: 

Quem namorava noivou e postou nas redes sociais a "foto das mãozinhas" seguida de um discursinho emocionado sobre como estão ansiosos para começar essa nova jornada.

Vi bastante essa foto em 2017.
Quem estava noivo casou, com direito a festa chique que deve ter custado algo entre R$70k e R$ 100k, e depois disso foram passar a lua de mel onde todo mundo passa lua de mel (Aruba, Curacao, Paris etc).

Outra foto que vi bastante em 2017. Uma pose-padrão que todo fotógrafo de casamento manda o noivo fazer.
Muita gente trocou um hatch por um sedã, afinal você tem 30 anos e além de sentir que merece um possante, não custa nada mostrar para a sociedade que você está bem de vida e é capaz de parcelar um carro em 30x, não é verdade?

Investe num Corolla 2018, você merece.
Quem está casado anunciou gravidez e fez "chá revelação" pra revelar pra todo mundo o sexo do bebê. 

O tal do "chá de revelação", mais uma ótima ideia pra tirar dinheiro de trouxa
Quem estava grávida pariu uma criança e deu um nome da moda tipo Enzo, Téo, Ravi e Valentina.

Quem já tinha parido há meses pagou um fotógrafo para registrar o pequeno Enzo socando um bolo ("smash the cake"), afinal você tem que ter uma foto do seu príncipe cagado no chantily. 

Agora tenho essa foto super original do meu Enzo destruindo a porra toda
Quem pariu um Enzo em 2016 pagou entre R$ 10 e 15 mil para alugar um cerimonial infantil e fazer a festa temática/gourmet de 1 aninho do príncipe. 

Com um ano de idade o príncipe Enzo tem o grau de consciência de um couve-flor e não vai guardar qualquer memória do evento, mas é importante investir numa festinha de R$ 15k pro seu pequenino, afinal todos os amiguinhos do seu Enzo tiveram uma festinha também. 

Fui em duas festas com o tema circo
Essa é a fase da vida em que me encontro, e esse é o script que todo mundo está seguindo.

Quando digo todo mundo, refiro-me à bolha em que vivo: trintões de classe média em uma determinada localização geográfica do Brasil. 

Pode ser que você não viva nessa realidade e não se identifique com o post de hoje, mas tudo bem, eu só queria dizer o que testemunhei em 2017 mesmo.

Me pergunto o que diabos faz os meus contemporâneos e conterrâneos seguirem um mesmo script. Ou eles têm medo da liberdade e encontram conforto numa vida "control c control v", ou eles nem percebem que estão vivendo uma "vida padrão", o que é ótimo pro fotógrafo, pro cerimonialista, pro agente de viagens e outros vendedores de experiências "únicas".


2017 serviu para confirmar um sentimento que eu já tinha dentro de mim: eu não quero seguir esse script. Não tenho um plano 100% definido pra minha vida, mas certamente não vai consistir em ficar pagando caro por experiências padronizadas.

Não fiz o post pra ofender casados, papais e mamães. Um dia provavelmente casarei e botarei Madruguenzo no mundo. É do script caro e escroto que estou reclamando no post de hoje, o qual eu vou me opor com bastante gosto quando se minha hora chegar.

E vocês, amigos, também percebem esses padrões na vida alheia? Como se sentem em relação a isso? 

Aquele abraço!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O surto de Marta

Quem acompanha o blog há mais tempo deve se lembrar que no fim do ano passado mudei para um novo apartamento, em um prédio localizado em uma avenida bastante movimentada.

Uma das primeiras coisas que reparei ao mudar para o novo cafofo é que eu estava em um dos pouquíssimos prédios da avenida que não tinha nenhuma propaganda na fachada.

É uma avenida bastante movimentada, então a maioria dos prédios aproveita a localização para instalar empenas e alugar a fachada para empresas de comunicação visual, gerando assim uma receita mensal de aluguel revertida em prol do condomínio. 

É disso que estou falando
Entrei em contato com o síndico do condomínio, perguntei por qual motivo o nosso prédio não tinha propaganda na fachada e ele não soube responder.

Entrei em contato com a administradora do condomínio, perguntei a mesma coisa e novamente fiquei sem resposta.

Percebi que o prédio não tinha uma propaganda na fachada (e receita mensal de aluguel, via de consequência) por pura inércia e falta de atitude dos envolvidos, e a partir daí resolvi tomar uma providência.

Entrei em contato com várias empresas de comunicação visual e pedi orçamento.

A maioria das empresas que contatei me ignorou, outras responderam que não trabalham com empenas e quatro manifestaram interesse e enviaram propostas. 

A melhor proposta veio de uma empresa que ofereceu R$ 2.300,00/mês pelo aluguel da fachada, além de arcar com as despesas de iluminação no período noturno.

Mostrei pro síndico essa possibilidade de gerar R$ 2,3 mil de receita sem fazer nada e ele finalmente resolveu se mexer, convocando uma assembleia-geral extraordinária para votar a contratação da empresa de comunicação visual.

Como o síndico se sentiu quando falei dos R$ 2,3 mil/mês que o condomínio poderia ganhar
A assembleia começou e o síndico explicou aos presentes que a propaganda na fachada geraria uma redução de estimados R$ 48 na taxa condominial de cada apartamento. Diante dessa perspectiva de pagar menos condomínio, todo mundo aprovou a instalação da propaganda na fachada.

Todo mundo menos Marta, a surtada do prédio

Estavam todos (menos Marta) bastante felizes com os cinquenta contos de economia que passariam a ter na taxa condominial, e o síndico revelou aos presentes que tudo aquilo era ideia do Madruga, o novo morador do prédio. Depois de falar isso o síndico puxou uma salva de palmas, e num momento constrangedor os presentes olharam pra mim e começaram a bater palmas. 

Obrigado, mas vocês são uns retardados por não terem pensado em botar propaganda na fachada antes
Em dezembro do ano passado a empena já estava instalada e uma propaganda estilo "Bradesco Seguros" passou a enfeitar a fachada do prédio, gerando uma redução de R$ 48,00 na taxa condominial, conforme prometido pelo síndico.

2017 chegou e logo no fim de janeiro tivemos uma nova assembleia-geral extraordinária para discutir qualquer assunto aleatório.

A assembleia fluía normalmente e eu estava quieto no meu canto, quando Marta levantou, interrompeu o assunto da pauta, apontou pra mim e disse "Vocês sabiam que esse menino aí tá botando no bolso R$ 3 mil por fora com esse contrato da fachada? Eu conversei com várias pessoas, várias, e todas me disseram que um aluguel de fachada aqui na região não sai por menos de R$ 5 mil! Isso tem que ser investigado. Tem que investigar esse menino aí, ele está botando no bolso dinheiro que deveria ir pro condomínio! Se isso não for investigado, eu vou na polícia. Na po-lí-ci-a!".

A primeira acusação de corrupção a gente nunca esquece
Os demais presentes aparentaram não levar muito a sério o que Marta disse. Eu pedi que a acusação de Marta fosse registrada na ata da assembleia e que a reunião prosseguisse normalmente.

No final da assembleia alguns condôminos vieram até mim e falaram pra eu não me preocupar com o que Marta diz. Disseram que ela é alcoólatra, bipolar, mora sozinha e de favor no apartamento que pertence ao pai, vota em assembleia com procuração e faz o que pode para encher o saco e atrapalhar todo mundo no prédio já há muitos anos.

Segundo a galera que veio falar comigo, todo mundo já foi vítima de algum surto da Marta algum dia, e eu deveria considerar aquilo uma mensagem de boas vindas dela para mim.

Ela é o tipo de pessoa que nunca conquistou nada na vida, ficou pra titia, afundou no alcoolismo, vive de dinheiro do pai e tem como única fonte de entretenimento criar confusão, especialmente em assembleias, onde ela é tomada por um complexo de pequeno poder por se sentir proprietária de um apartamentinho fuleiro que diga-se de passagem nem é dela.

Pra ser sincero não me importei muito com a acusação de Marta, mas também não quis deixar barato. Ali estava uma boa oportunidade de tirar dinheiro do bolso dela e botar no meu. Se você leu o post "Ganhando dinheiro com processos judiciais", já deve saber do que estou falando (no post em questão expliquei como é possível entrar com processo sem advogado e sem pagar taxas).

Martha, minha vingança vai doer no seu bolso
Menos de uma semana depois da famigerada assembleia eu já tinha entrado com o processo contra Marta pedindo indenização por danos morais por conta da acusação mentirosa. Juntei como prova um CD com o áudio da assembleia (as assembleias são gravadas), a ata, as várias solicitações de orçamento que fiz, além de botar como testemunha o síndico e a mulher da administração do condomínio. 

A audiência de conciliação foi em abril e Marta apareceu com um advogado do lado e visivelmente constrangida, olhando fixamente pra mesa de audiência sem fazer contato visual com ninguém.

A conciliadora fez um discurso robótico sobre as vantagens da conciliação e perguntou se Marta tinha alguma proposta de acordo a fazer. 

O advogado de Marta propôs que ela assinasse uma retratação pública/pedido de desculpa pela acusação feita contra mim, e em contrapartida eu deveria concordar com o arquivamento do processo.

Pedido de desculpa? Eu quero dinheiro, fera.
Propus que Marta fizesse a retratação pública e me pagasse R$ 3.000,00. Ele fez uma contraproposta de retratação pública + R$ 1.500,00. Eu concordei porque preferi resolver logo do que deixar o processo se eternizando na lerdeza judiciária. 

Marta assinou um papel pedindo desculpa pela acusação falsa dirigida contra mim e se comprometeu a pagar os R$ 1.500,00 em 15 dias, do contrário pagaria uma multa de 10% e o processo continuaria.

Pra fazer bom uso do pedido de desculpa de Marta, tirei dezenas de cópias do mesmo e fui enfiando por baixo da porta de todos os apartamentos. Mas retratação pública é o cacete, eu queria mesmo era os R$ 1,5 mil que ela se comprometeu a me pagar em 15 dias.

Só que ela não pagou. 

Os 15 dias passaram e nada do dinheiro entrar na minha conta.
É isso aí, amigos, Marta ligou o foda-se pro acordo feito no processo e frustrou minha expectativa de ver 1,5 mil entrando na minha conta. Só me restou continuar com o processo judicial cobrando os 1,5 mil + multa de 10% pelo calote. 

Pedi bloqueio de dinheiro nas contas bancárias de Marta, mas só foram bloqueados seis reais.

Pedi bloqueio de veículos em nome de Marta, mas ela não tem nenhum automóvel registrado em nome próprio.

Foi aí que me dei conta que, sendo ela uma desocupada surtada que vive às custas do papai, muito provavelmente eu jamais veria a cor do dinheiro que eu estava cobrando.

Vou sair de mãos vazias nessa história
Pedi pro oficial de justiça buscar qualquer coisa dentro do apartamento de Marta que eu pudesse pegar e vender depois, e o processo ficou vários meses parado sem motivo algum. 

Eis que, no começo de outubro, o síndico do prédio me liga dizendo que Marta se recusou a deixar o oficial de justiça entrar no apartamento dela, e o oficial voltou acompanhado de dois policiais militares e um chaveiro, forçando a entrada no apartamento contra a vontade dela.

Eu não sabia se ia receber meu dinheiro, mas só pela treta já tá valendo a pena
Como trabalho perto de casa, saí da empresa, fui literalmente correndo até o prédio em que moro, subi no andar de Marta e fiquei lá no corredor, ao lado de um PM.

Marta estava vermelha e bufando de ódio quando me avistou. "NO MEU APARTAMENTO ELE NÃO ENTRA! NÃO ENTRA!", gritou Martha para o PM que estava do meu lado. O PM ignorou solenemente o faniquito de Marta e continuou digitando qualquer coisa no próprio celular. 

Eu não queria entrar no apartamento de Marta. Só queria acompanhar a treta de perto e saber se eu ia sair dali com algo na mão ou no zero a zero.

O oficial de justiça saiu de dentro do apartamento e eu conversei com ele. Ele disse que a maioria das coisas que estavam dentro do apartamento dela não poderiam ser retiradas pois eram o básico do básico pra sobrevivência (geladeira, fogão, microondas, tv velha, essas coisas), mas que, se eu quisesse, poderia levar uma caixa com 12 garrafas de azeite extra-virgem 500 ml que ela tinha na cozinha e uma TV Smart Samsung 32" novinha, ainda dentro da caixa, que a safada escondeu na escada de incêndio nesse meio tempo em que o oficial de justiça saiu para depois retornar com a polícia e o chaveiro.

6 litros de Azeite? Acho que vou querer só a TV mesmo, amigo.
O oficial penhorou a Smart TV e entregou para o síndico do condomínio, que ficou responsável por guardá-la até segunda ordem do juiz.

Fui no processo dizer que eu queria a TV pra mim. Marta não disse mais nada, então o juiz autorizou que eu pegasse a televisão, considerou paga a dívida e arquivou o processo.

Minha mais nova Smart TV não vale nem R$ 1.200,00, então acho que o juiz foi um pouco afobado em considerar paga uma dívida que com multa e juros já passava de R$ 1.650,00, mas enfim...

Tirando o risco de ser esfaqueado no elevador por uma alcoólatra bipolar que não morre de amores pela minha pessoa, estou satisfeito com o desfecho da coisa toda: ganhei um pedido de desculpa não muito sincero e uma televisão.

Tem muita gente boa no prédio em que moro, mas tem muito retardado também. Em breve contarei pra vocês outras tretas condominiais.

Aquele abraço!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...