terça-feira, 17 de março de 2015

Saudações

Gostaria de me apresentar aos meus [no momento inexistentes] leitores, mas preservando ao máximo o anonimato, pois ser anônimo é o que me motiva a falar de minha vida na internet sem temer sequestro, morte, extorsão, roubo, calúnia, injúria, difamação e outros crimes previstos em nossa legislação.

Sem mais delongas, vamos lá:

Vida pessoal:

Tenho namorada e uns cinco ou seis amigos, mas ainda assim me considero um grande apreciador da solidão. Com todo o respeito às poucas pessoas que apreciam minha companhia, a verdade é que pouca coisa me traz tanta alegria quanto saber que não há nenhum compromisso marcado e que poderei ficar recluso em meu apartamento, na presença tão somente de meus filmes, séries, livros, músicas, pensamentos e o que me der na telha.

Considero-me absolutamente desapegado no que tange ao consumo: não nutro qualquer forma de apego por produtos, marcas e serviços, de modo que só gasto dinheiro com o que considero essencial, e meu conceito de essencial é extremamente restrito.

Sinto que só preciso de um apartamento pequeno que seja perto de meu local de trabalho e meu computador velho com a internet mais barata disponível, nada mais. Não tenho TV por assinatura, não tenho televisão, não tenho carro, aliás, com todo respeito ao gosto e à necessidade das pessoas, considero carro um grande e constante desperdício de dinheiro (provavelmente tratarei desse assunto em tópico específico algum dia).

Não almejo uma vida de luxo e ostentação, mas sonho em viver de renda. Adoraria ter em meu inconsciente a maravilhosa sensação de que não preciso mais trabalhar para não morrer de fome ou não ter que viver embaixo da ponte.

Já que este blog terá foco na minha busca pela independência financeira, não posso deixar de mencionar que não há produto ou serviço que supere a enorme satisfação que sinto ao ver dinheiro entrando na minha conta e, melhor que isso, se multiplicando mediante juros compostos. Sempre preferi admirar a cor azul nos meus extratos em vez de me lamentar com a cor vermelha.

Vida profissional: 

Tenho uma empresa prestadora de serviços.


Serei bem honesto contigo, os primeiros dois anos de empresa foram um grande e cabeludo cu. Eu matava dois leões por dia, trabalhando em média 60 horas por semana, para fechar o mês literalmente no zero a zero: com todas as despesas da empresa pagas, sem dever a ninguém, mas com quase nenhum centavo no bolso.

Nesse período minha qualidade de vida era inexistente e a sensação de que nadava, nadava e não chegava a canto nenhum era uma constante em minha vida. Enquanto isso, pessoas mais próximas, provavelmente bem intencionadas, me aconselhavam a buscar emprego em empresas já consolidadas ou recorrer ao concurso público.

Um fato interessante sobre ter uma empresa que não está andando nem pra frente nem pra trás é que você não tem a mínima noção de quando é a hora de reconhecer que falhou e partir para outra ou continuar insistindo para "quem sabe no mês que vem a situação melhorar".

Felizmente, passados os primeiros anos a situação melhorou bastante. Consegui clientes fixos o suficiente para arcar com as despesas mensais da empresa, consegui criar um fundo de reserva que mantém a empresa viva por um trimestre mesmo sem receber um centavo e, o melhor de tudo, consegui recuperar minha qualidade de vida, de modo que só preciso trabalhar em média sete horas por dia, sendo raríssimas as ocasiões em que tenho que pensar em trabalho nos fins de semana e feriados.

"Porra, seu madruga, ainda bem que deu tudo certo!". Meu caro leitor, a verdade é que a situação está longe de ser ideal. Vocês verão nos balanços pessoais que pretendo publicar mensalmente neste blog que a empresa ainda me gera muita pouca renda, e que há meses em que até minha secretária vai ganhar mais dinheiro que eu.

Ainda assim, continuo acreditando no potencial da minha empresa e que é empreendendo que se enriquece. Minha busca pela independência financeira terá a fórmula simplicidade voluntária + empreendorismo + investimentos.

Vida de investidor:

Li muitos blogs de investimento antes de resolver criar o meu e devo dizer que, comparado com a maioria dos investidores presentes na blogosfera, sou um ignorante no assunto.


Só comecei a estudar sobre investimentos no começo de 2014 e tive poucas oportunidades de colocar em prática o que venho aprendendo (essa falta de oportunidade é em sua maioria decorrente de falta de dinheiro). No momento só tenho dinheiro aplicado em uma LCI 98% CDI e guardado em poupança (para emergências). Como vocês podem ver, estou mais para um poupador do que um investidor propriamente dito.

Espero evoluir mais no assunto e compartilhar essa evolução com quem quer que acompanhe esse blog.

3 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...