quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Salvadores da pátria também mamam

Enquanto os poderes Executivo e Legislativo se afundam em suas merecidíssimas más reputações, muita gente deposita as esperanças do futuro do Brasil no Poder Judiciário, que ocasionalmente é personificado em algum juiz salvador da pátria, título que durante um tempo pertenceu ao Joaquim Barbosa e agora pertence ao Sérgio Moro (queridinho da mídia e das redes sociais).

Você certamente já ouviu falar da expressão "come-quieto", comumente atribuída à pessoa que está em alguma situação de vantagem e mantêm discrição quanto a isso, tipo seu amigo que encoxou a gostosinha da sala e não comentou com ninguém.

Pois bem, na nossa República, o Poder Judiciário é o come-quieto dos três poderes: enquanto o Executivo e o Legislativo ficam se digladiando na lama, o Judiciário mantém distância, deita e rola em privilégios bizarros, capazes de dar inveja aos mais proeminentes saqueadores dos cofres públicos.

Vejamos, pois, a mamata característica do cargo de juiz:

1) Carga horária que em regra é de 30h semanais (sem ninguém controlando seu horário de entrada/saída).
2) Nenhum controle sério sobre a sua produtividade, nem mesmo por parte do CNJ.
3) Remuneração de R$ 15-20 mil líquidos.
4) Auxílio-alimentação superior a R$ 1,2 mil, mesmo só trabalhando meio período.
5) Auxílio-moradia de R$ 4,3 mil, para todo e qualquer juiz, mesmo os que moram na própria comarca em que atuam.
6) Dois meses de férias por ano, isso sem contar o recesso do Poder Judiciário, que costuma ser de 15 dias, ou seja, você não trabalha dois meses e meio por ano.
7) Se você é juiz vinculado ao Tribunal de Justiça do RJ, que é o mais criativo dos tribunais estaduais, terá auxílio-creche se seu filho estiver na creche, auxílio-educação se seu filho estiver estudando, auxílio-oxigênio se seu filho respirar, e por aí vai.
8) 13º salário em todos os Tribunais, 14º salário disfarçado de abono-férias em alguns tribunais.
9) Ops, foi pego fazendo coisa errada? Não se preocupe, o Corregedor-Geral de Justiça vai te dar um beijo molhado na testa e uma pena de "advertência" para ninguém dizer que seu "equívoco" passou impune. 
10) Associações e órgãos de classe poderosos garantindo esses e outros privilégios com a retórica de que se tratam de "prerrogativas adequadas à relevância da função". 

Uma parte relevante do orçamento do judiciário é usado para arcar com os mimos das Excelências. Para vocês terem uma noção, 30% do orçamento da Justiça estadual aqui onde moro são voltados exclusivamente para remunerar direta ou indiretamente os juízes. Dinheiro que poderia ser usado para oferecer um serviço público menos horroroso, mas é aplicado em coisas como o auxílio-moradia das Excelências que, tadinhas, precisam desses R$ 4,3k para terem moradia digna, pois seus subsídios de R$ 20 mil líquidos certamente não são o suficiente para isso.

Chamei o Judiciário de come-quieto pois, como vocês podem ver, ele promove uma verdadeira farra com o dinheiro público, uma farra que costuma ficar longe dos holofotes por ser travestida de legalidade, e também porque criticar juiz não é algo que convém aos meios de comunicação.

Para quem quiser ter uma dimensão maior de como o Judiciário limpa a bunda com o seu dinheiro tanto quanto fazem os demais poderes, recomendo fortemente essa matéria da Revista Época publicada há alguns meses atrás (rara ocasião em que um meio de comunicação compilou a mamata judiciária).

Desembargadores discutindo novos auxílios para a magistratura: auxílio-pinto pro juiz que tiver pinto, auxílio-pepeca para a juíza que tiver xavasca e auxílio-ração pedigree premium gourmet pro magistrado que tiver cachorro.
Só uma parêntese: grande parte das críticas aqui atribuídas ao Poder Judiciário também se aplicam ao Ministério Público, que goza de privilégios iguais ou semelhantes por uma questão de simetria constitucional,  e às vezes cometem os mesmos absurdos que deveriam combater, tipo a portaria da Procuradoria-Geral da República dizendo que procurador em voo internacional pode usar classe executiva.

Assim como várias pessoas que estão lendo esse texto, tenho muito ceticismo em relação ao futuro do Brasil. Meu ceticismo, no entanto, não é por conta da conduta dos eleitos, mas sim porque as instituições que têm a relevantíssima função de processar e julgar os eleitos também chutaram o pau da barraca e tem como prioridade maior enriquecer sua cúpula, e isso é o último grau de degeneração de um Estado que se diz democrático.

Certamente torço para que o juiz da lava-jato desempenhe suas funções com o máximo de eficiência e imparcialidade possível, pois quero ver todo mundo que efetivamente cometeu crime no xilindró, mas ao mesmo tempo não me esqueço que o juiz em questão, assim como a grande maioria dos magistrados, também não abre mão de sua parcela na festa do cachorro louco que promovem com o dinheiro de reles mortais como você e eu.
 
R$ 4,3 mil só de auxílio-moradia também é roubo de dinheiro público. Dois meses e meio de férias/recesso também é corrupção.
A salvação não virá do Sérgio Moro, a salvação não virá do Judiciário: como sempre foi desde que os portugueses botaram os pés aqui, nenhum dos poderes constituídos leva a sério a distinção entre público e privado, nem têm muita paciência para diferenciar o lícito do ilícito quando o assunto é dinheiro.

Como se isso já não fosse grave o suficiente, cresce nas universidades uma cultura que parece botar o concurso público no topo das aspirações profissionais dos jovens, e um exército de milhões de estudantes sonham com o dia em que também poderão gozar dos mesmos privilégios antirepublicanos, que numa hermenêutica de quinta categoria chamarão de "prerrogativas previstas em lei".

Abraço!

34 comentários:

  1. Somos realmente muito otários.

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, infelizmente, enquanto a iniciativa privada não pagar um salário melhor, vou continuar estudando para passar num bom concurso.

    Depois que eu tiver uns 5M em fiis eu vou apoiar um partido que proponha a diminuição da alíquota do imposto de renda.

    Mas infelizmente não vi PMDB, PSDB, DEM e outras siglas defenderem a diminuição de impostos.

    A vida faz com que tenhamos de jogar as de acordo com as regras do jogo....


    Para terminar, o salário do juiz Moro é de 60k líquidos mensais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô na mesma aqui, não tem condições, ainda mais com esse povinho fútil e desonesto, a maioria das pessoas só querem saber de aparência. Em um país decente eu jamais optaria pelo serviço público, mas aqui, com os salários pífios da iniciativa privada, além da franca exploração, não tem jeito... eu que ainda estou num cargo médio-alto já ganho de 3 a 5 vezes o que um colega consegue na iniciativa privada na mesma área e ainda trabalhando menos e com menos stress.

      Não adianta só reclamar temos que caminhar com vigor rumo aos nossos objetivos e, no momento, é isso que o bostil oferece.

      Excluir
    2. Na hora de as gatas abrirem as pepecas elas não perguntam de onde veio o dinheiro.


      Enquanto concurso pagar bem, eu vou estudar, pois quero salário bom.

      Vejo empresários sendo assaltados, sendo corneados por trabalhar demais. Isso não é vantagem.

      O Corey só pega mulher pois a mulher dele gosta de casa de swing e sempre sobra uma pepeca para ele. Mas o cara tá se matando de trabalhar.

      Excluir
    3. É sério isso de casa de swing do Corey? Fala isso com base em que?

      Tudo tem seus prós e contras, não é difícil convencer a maioria das mulheres a fazer isso.. o difícil é ver os caras comendo sua mina.. hehehe.

      Fazendo isso ou não ele continua tendo um dos melhores blogs da área de finanças. O Seu Madruga também está com o blog muito bom... não perco uma postagem e indico pros amigos.

      Excluir
    4. Cara, o Corey sempre disse que era swingueiro e que se dava bem nas sobras...

      Muito cara bobo reclama, chora, esperneia, mas para quem corre atrás, existe muita opção de pepeca. Watsup, Tinder, Badoo, dogging, gangbang, chat do Uol. É só procurar que acha.

      Muitos reclamam dos alfas, mas sempre tem mulher nota cinco para comer, o lance é ser guerreiro comedor.

      Depois de passar em concurso top e ter muita grana, dá para o cara escolher as mais gostosas, mas antes tem de estudar muito sábado e domingo para passar em concurso bom.

      Excluir
  3. Os membros do MP têm muito mais vantagens, além de uma carga de trabalho bem menor. De qualquer forma quem faz o trabalho grosso dos juízes e promotores/procurador são os analistas, em média as autoridades trabalham de 3 a 6h por dia, nisto incluído o tempo de conversa e distrações.

    É fácil ser juiz, o difícil é chegar lá. Temos vários exemplos, como o juiz federal William Douglas, que nunca está no gabinete trabalhando (sempre em palestras, cuidando de sua editora, dando aulas e escrevendo livros etc)... obviamente porque seus assessores dão conta do trabalho e ele no máximo dá uma revisada e assina, à distância, mesmo assim é um dos juízes mais produtivos, conforme ele gosta de ressaltar.

    O Brasil realmente não está no caminho certo, as coisas andam muito deturpadas... não é o poder judiciário, o legislativo ou o executivo que irão resolver o problema, o povo precisa mudar. Enquanto a média da população for desonesta e incompetente as coisas não mudarão.

    O brasileiro é malandro na maioria, além disso as leis não funcionam e os valores estão invertidos. Por exemplo, as cadeias estão lotadas de mulheres nos dias de visitas íntimas, enquanto muito estudante esforçado não vê pepeka de verdade há anos, podem falar o que quiser, mas a realidade se impõe, as pessoas farão aquilo que dá maiores recompensas.

    O concurso é a mesma coisa, apesar de difícil e do universo de concorrentes poucos serem aprovados, a recompensa é grande e muita gente tenta, mas não com o objetivo real de fazer um bom trabalho (claro que todos falam que sim, ma sé da boca pra fora), é lógico que quem quer um trabalho pelos ganhos (e passa por gigantes privações pra isso), não irá abrir mão dos benefícios e não terá o bem público como seu principal objetivo, é uma questão óbvia... o cara fica quase uma década enclausurado, sem meter, sem grana, excluído da sociedade pra passar nessas porcarias e depois vai se "matar" pelo povo que o segregou? Não tem lógica, ninguém tira da própria carne assim de graça.

    Penso que o modelo correto é o dos países desenvolvidos, onde quem quer dinheiro vai pra iniciativa privada que é osso e quem quer ajudar o próximo fica no serviço público que tem salários dignos, mas bem abaixo da iniciativa privada, porém são de fácil acesso, não é essa insanidade de difícil do brasil.

    ResponderExcluir
  4. Devia ser dado auxílio pepeca para quem tem amantes...rsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui onde moro o auxílio-pepeca da amante se chama cargo comissionado. É incrível a quantidade de novinha gostosa não-concursada exercendo cargo comissionado no Tribunal e Assembleia Legislativa.

      Excluir
    2. Um monte de coroas feiosos e ridículos comem as gostosinhas por conta desses cargos. Filhos da puta.

      O investidor comum fica anos comendo mulher feia por causa do preço mais em conta.

      Antes de chegar ao milhão, mulher estilo panicat só uma vez por ano , pois aqui elas estão cobrando R$ 400,00/ horas, fora o táxi e o motel.

      Excluir
    3. 400? Cacete! Onde vc mora? Essas putas tem buceta banhada a ouro? Aqui onde moro dá pra comer umas gostosas, inclusive tipo panicat, por +- 250.

      Excluir
  5. Uma coisa me conforta. O tanto de gente que vejo fazendo direito somente pra tentar prova de magistrado e não consegue nem passar numa prova de constitucional ou penal (dizem que são as matérias mais pesadas). Mal sabem que vai ficar muito pior.
    Aproveitando o comentário Madruga, "R$ 4,3 mil só de auxílio-moradia também é roubo de dinheiro público. Dois meses e meio de férias/recesso também é corrupção.", pode ter certeza que ainda vão botar muito na bunda do setor privado, antes de pensarem em alterar esses benefícios.

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria dos alunos de faculdades particulares é bem burrinha, não sabem escrever, nem fazer contas.

      Essas pessoas nem passarão na prova da OAB.

      Excluir
    2. É verdade, Albino, a imensa maioria da galera que faz direito nunca vai passar num concurso digno e vai acabar arranjando alguma profissão fora da área.

      Excluir
  6. Muita gente defende o setor privado mas não tem empresa que pague 20k de dividendos por mês. Na verdade é assalariado e sonha em chegar lá.

    Eu quero ficar rico também, mas prefiro passar num bom concurso, comprar muitos fiis, depois de ter 3M eu penso em votar em algum partido que diminua a carga tributária.

    Eu jogo as regras do jogo, não inventei nada. Quero comer muita pepeca, para isso preciso de dinheiro. Não posso entrar para o tráfico pois não sei atirar, logo o que resta é estudar para concursos.

    De que adianta amar a iniciativa privada como faz o Corey e ficar em depressão, chegar perto de ter um ataque cardíaco, reclamar que o Brasil não é Miami? É simplesmente burrice, se estressar de tanto trabalhar, morrer e deixar herança para o governo....

    O lance é comer pepeca e ganhar dinheiro, tem gente que canta música sertaneja, eu prefiro passar em concurso e aplicar meu dinheiro na bolsa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesma coisa aqui, já consegui, mas continuo tentando subir mais... a realidade é essa, não há alternativa viável. As mesmas fêmeas que criticam a corrupção são as que só querem cara rico e não querem nem saber de onde veio a grana.

      Excluir
  7. Nem todo mundo consegue casar com mulher bi que chupa pepecas, nem é todo cara que vai ganhar salário de juiz.

    Por causa da pobreza e da solidão, muitos pobres aceitam ser cornos bem mansos, pois sabem que pepeca tá caro hoje me dia. Assim eles preferem aceitar os galhos na boa pois ganham mal na iniciativa privada.

    No serviço público também tem muito corno, mas a maioria é corno desconfiado. E se descobrir separa.

    ResponderExcluir
  8. Depois de dois anos desempregado, até o maior fã do Constantino faz concurso público.

    Ninguém gosta de repartição, mas se só tiver grana ali, é onde pegaremos dinheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falando em Constantino, essa semana ele foi demitido. Reinaldo Azevedo e Felipe Moura Brasil devem estar com o cu na mão nesse momento.

      Excluir
  9. Se eu não estudasse pra concurso ia achar um absurdo. =)

    Abç!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos de pagar nossas contas. As multinacionais sempre vão pagar os maiores impostos por terem os maiores lucros e receitas.

      Quem acha que microempresa sustenta o Brasil precisa estudar mais Orçamento Público e Direito Tributário.

      Meu lance é ganhar grana e comer pepeca boa. Se tiver de fazer mais concursos, então será esse o caminho.

      Mas depois de juntar 3M, para de trabalhar e vou ver as gostosas na praia todo dia.

      Excluir
  10. Seu Madruga está com um dos melhores textos da blogosfera. A leitura é agradável e os raciocínios são claros. Continue assim.

    Sobre o post, é muita sacanagem que acontece no Brasil, infelizmente. Mas se o cara ficar na paranoia com iniciativa privada acaba tendo um treco.

    Concurso público é o que está pagando melhor, por isso muita gente corre para ele. Não é amor, é por grana mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anon, fico feliz pelo elogio, certamente os comentários positivos motivam a seguir postando.

      Quando o mensalão estava em voga eu via frequentemente pedidos de Joaquim Barbosa presidente, e agora vejo o mesmo em relação ao juiz da lava-jato.

      O post foi tão somente uma crítica ao Poder Judiciário/Ministério Público, que é vista por muitos como salvação, mas na verdade é um grande saqueador dos cofres públicos, de uma maneira ainda mais hipócrita que os demais poderes, pois tenta dar aspecto de legalidade para indecências como o auxílio-moradia e outras invenções.

      De qualquer maneira, imaginei que algumas coisas que escrevi no post fossem gerar comentários discutindo setor privado x público.

      Sobre esse assunto em específico, eu particularmente não culpo ninguém que busque a estabilidade e as remunerações do funcionalismo público - sabendo da conjuntura do país eu entendo perfeitamente porque tanta gente quer isso.

      No entanto, isso não me impede de culpar o Estado por pagar bem e conceder estabilidade sem exigir a devida contraprestação por parte da grande maioria dos servidores públicos.

      É a administração frouxa do Estado sobre seus empregados que faz o serviço público ser o lixo que é: o Estado remunera bem, dá ótimas garantias de estabilidade e exige muito pouco do servidor a título de eficiência e produtividade.

      Certamente culpar o "Estado" parece muito genérico, pois o Estado não é ninguém em específico. Quando culpo o Estado, refiro-me às pessoas que exercem cargos públicos que possuem alguma parcela de poder estatal.

      No Judiciário o Estado é o magistrado. No Ministério Público o Estado é o Promotor/Procurador. No executivo o Estado é qualquer pessoa que exerce cargo de chefia a nível municipal, estadual e federal. No legislativo, o Estado é o legislador e as pessoas que exercem função de chefia nas câmaras, assembleias e no congresso.

      São esses os verdadeiros culpados pela ineficiência estatal: deveriam ter pulso firme sobre seus subordinados, mas não têm pois reproduzir a cultura de ineficiência é mais fácil, dá menos trabalho pra todo mundo e gera menos desgastes perante os colegas.

      A pessoa que almeja esse tipo de cargo e no fim das contas reproduz esse tipo de comportamento é a verdadeira patrocinadora do parasitismo, o que não causa muita surpresa, já que essas pessoas estão sempre tentando aumentar ainda mais os próprios privilégios, e quem quer mamar o máximo possível na teta não tem moral para exigir que os outros não mamem também.

      Agora analisando as consequências práticas de toda essa situação, o serviço público como um todo tem a má fama que merece, e qualquer manifestação de repulsa ao funcionalismo público da forma que se encontra é legítima.

      Abraço!

      Excluir
  11. Madruga, quando passamos num concurso público entramos empolgados, cheio de energia e ideias para melhorar o serviço. Pense nos aspiras do primeiro filme Tropa de Elite.

    Mas a estrutura não deixa acontecer grandes avanços.

    O problema maior não é o funcionário de carreira, concursado, em geral, este tem grande nível intelectual e profissional.

    O nosso sistema político privilegia o toma lá- da cá. Todos os partidos sempre se utilizaram dele. PSDB,PT,DEM,PMDB. A consequência é que um ótimo servidor sabe que nunca será ministro de estado ou secretário, pois algum imbecil aliado político de algum chefe político o colocou numa boa para servir o partido.


    Se um exército é incompetente, a maior parcela de culpa é dos generais, pois eles têm o poder, a tropa apenas segue ordens.

    Abs,
    Anon 12:04

    ResponderExcluir
  12. A farsa caiu, pobretão sempre mentiu!9 de outubro de 2015 22:38

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo texto, madruga!
    Ultimamente está sendo um dos blogs com melhores textos aqui na blogosfera. Acompanhando...
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  14. Eu trabalho no Ministério Público Federal como assessor e tem mais coisas aí sobre os promotores:

    - a carga horária não é de 30h; eles não tem carga horária pré-definida. Na prática, a maioria chega umas 10h e sai às 16h ou 17h. Tem uns que chegam às 9h e saem à 1h

    - o salário bruto é de 27.000.00

    - fora isso, tem os auxílios, vários penduricalhos

    - auxilio-alimentação 1200

    - auxílio-moradia 4000

    - auxílio-escolar 3800 por filho até os 24 anos de idade que ainda estude

    - auxílio por cumulação de oficio, que é quando um promotor tá de férias e outro fica encarregado de tocar o gabinete dele - 4000


    - não incide imposto de renda ou contribuição pro inss sobre esses auxílios; é tudo limpo

    - dois meses de férias a cada ano e pode vender um mês desses por 27 mil

    - três meses extras de férias para cada 5 anos de serviços; ou seja, a cada 5 anos, tem cinco meses de férias naquele ano

    - tá em implantação o auxílio-telefone, sendo que o órgão já dá um iphone pra cada um, que é trocado todo ano, sempre pelo modelo mais recente

    As mesmas imoralidades que a gente critica na remuneração dos deputados existem no caso dos promotores e a maioria das pessoas nem tem ideia. Muito bom o post por escancarar a situação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O irônico é que isso tudo vem do órgão que deveria combater esse tipo de coisa. Que moral o MP tem pra questionar a roubalheira alheia quando ele mesmo pratica tamanhos absurdos? É aí surge outra pergunta: quem fiscaliza os fiscais da lei? Obrigado, anon, por compartilhar sua experiência.

      Excluir
    2. Esqueci também:

      - se quer fazer mestrado ou doutorado em outro país, o órgão paga metade ou até tudo e a pessoa continua recebendo o salário normal enquanto fica estudando, mesmo que não tenha relação com o serviço. Um promotor criminal pode fazer pós na área tributária sem problema nenhum. Na prática, o que acontece é que os promotores que também são professores em uma área diferente das que atuam usam o órgão pra melhorar o currículo de graça e ganhar mais como professor

      - tem outros auxílios mas eu não consigo me lembrar com detalhes. Esse negócio é tipo uma caixa preta; difícil conseguir informação.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...