quinta-feira, 6 de julho de 2017

Crônicas da Matrix Financeira: Vanessa, a advogada

No post "Crônicas da Matrix Financeira: Vanessa, a assessora" eu contei para vocês sobre uma jovem moça que conseguiu um cargo comissionado em um órgão público que lhe pagava uma bela remuneração entre R$ 7 e R$ 8 mil mensais para cumprir uma carga horária de 35 horas semanais.

Com muita pressa em mostrar ao mundo seu novo poder aquisitivo, Vanessa mergulhou de cabeça na inflação do padrão de vida e saiu da casa dos pais para morar sozinha, comprou um carro 0 Km, comprou dezenas de roupas caras exibidas com orgulho nas redes sociais com a hashtag #lookdodia, frequentou restaurantes caros para compartilhar no Instagram foto dos pratos que pedia, enfim, toda aquela mediocridade e necessidade de auto-afirmação que todos nós já conhecemos muito bem. 

O revés veio quando o cara que nomeou Vanessa para o cargo comissionado morreu e foi substituído por um outro cara, que imediatamente exonerou todos os comissionados indicados pelo falecido, inclusive ela.

Como cargo comissionado não tem direito trabalhista e Vanessa em momento algum achou que fazer uma reserva de emergência seria uma boa ideia, ela ficou completamente desamparada quando foi para o olho da rua, tendo que voltar a morar com os pais, que assumiram todas as despesas da filha, inclusive as parcelas do carro, gasolina, seguro, vida social etc.

Esse foi um breve resumo do post "Vanessa, a assessora" apenas para refrescar a memória, e agora podemos finamente falar sobre o post de hoje: 

Crônicas da Matrix Financeira: Vanessa, a advogada

Assim que foi pro olho da rua e viu sua vida de "jovem de sucesso" desmoronar, Vanessa voltou a morar com os pais e assumiu o rótulo de concurseira. 

Como eu tive a oportunidade de mencionar no post "Crianças de 30 anos", estudar para concurso é uma atividade válida, mas o que não falta por aí é vagabundo se autodenominando concurseiro para esconder da sociedade o fato de que não faz nada de produtivo o dia todo.

Vanessa estudando para concursos
Vanessa não precisou fingir por muito tempo que era concurseira, pois logo no começo de 2017 conseguiu um trabalho como advogada em um escritório de advocacia gigante, desses que tem centenas de advogados e cuida de milhares de processos defendendo empresas de telefonia. 

Esse trabalho não era tão "glorioso" quanto o cargo comissionado que ela outrora ocupou, pois a remuneração era baixa (menos de R$ 1.800,00/mês) e a carga horária era alta (44 horas semanais), algo bastante comum no super prostituído mundo da advocacia.

Nem por isso Vanessa perdeu a pose, e recheou seu Facebook com selfies dentro do carro a caminho do trabalho, selfies no escritório pela manhã sempre com um copo da Starbucks estrategicamente posicionado para mostrar ao mundo como ela é cosmopolita.

Dentro e fora das redes sociais, a imagem que Vanessa queria passar era de advogada de sucesso. Enchia o peito para dizer que era chefe de uma equipe, postava fotos para mostrar que trabalhava até tarde da noite, postava foto presenteando a "equipe" com chocolate para mostrar que era uma boa chefe e por aí vai.

Já que a vida de servidora pública do alto escalão não deu certo, Vanessa assumiu a identidade de business woman cosmopolita
Quem conhece os bastidores sabe bem que a vida que Vanessa projetava para os outros era uma mentira.

Seu salário era pífio, suas horas extras aconteciam contra sua vontade, a "equipe" que ela comandava consistia em um estagiário, o cargo de "chefe" que ela usava para se referir a si própria era puro delírio, e sua situação financeira era de semi-dependência dos pais (ela bancava gasolina, seguro do carro e vida social, enquanto os pais bancavam moradia, alimentação, plano de saúde, financiamento do carro e basicamente todo o resto).

Ainda assim, o importante para Vanessa era manter a pose de "pessoa que tem tudo sob o controle" e de "profissional insubstituível", então publicamente ela agia como se adorasse aquilo tudo.

O trabalho de escravogada durou até agora, e no começo da semana passada ela foi dispensada do escritório em que trabalhava, por algum motivo que eu não sei qual é.

Para agravar a situação, Vanessa foi dispensada sem direito a nenhuma verba trabalhista pois ela estava contratada como advogada associada, que é uma figura que consegue ter menos direito trabalhista que um boliviano em regime de semi-escravidão.

Com a súbita dispensa e sem dinheiro no bolso, Vanessa confessou para a prima dela (vulgo minha namorada) que tem uma dívida de R$ 14 mil no cartão de crédito, que ela vinha refinanciado no crédito rotativo pagando sempre o mínimo todo santo mês, e que agora ela está pagando parcelado.

Como Vanessa não queria que seus pais descobrissem que essa dívida existe, ela pediu dinheiro emprestado à minha namorada para que conseguisse continuar pagando as parcelas.

A Madruguete quis minha opinião sobre o assunto e eu fiz uma longa exposição que pode ser resumida em "não empresta senão vai dar merda", e felizmente ela me escutou, então provavelmente Vanessa vai acabar jogando mais essa despesa nas costas dos pais.

O curioso é que, mesmo demitida e tendo acabado de mendigar dinheiro emprestado para pagar uma dívida de 14 mil joesleys, ontem mesmo Vanessa orgulhosamente compartilhou para a sua prima que estava comprando roupas e, quando descobriu que havia um desconto de 10% para compras acima de R$ 200,00, levou uma bermuda a mais, alcançou os R$ 200,00 e obteve o desconto em questão.

Parabéns pela economia, campeã.

Vou esperar o tempo passar e quanto tiver mais assunto escreverei a parte 3 dessa história. Pelo andar da carruagem, não vejo um futuro dos mais brilhantes para essa menina, rs.

Aquele abraço!

105 comentários:

  1. Ao contrário de você Madruga, prevejo um futuro brilhante.

    Partindo da premissa que a moça em questão, possuí atributos estéticos bem definidos.

    Logo, logo, um CUECÃO PROVEDOR assumirá a bronca. A mesma será tratada como Deusa, posteriormente, enrabada, dará a luz um pequeno. E a partir daí poderá gritar aos quatro cantos que preferiu ser mãe e agora cuida do pequeno e do marido CUECÃO.

    Se feia, os pais serão parasitados, possivelmente assumirá outro sub emprego e o ciclo repete.

    Entendam senhores: "O fracasso financeiro e profissional É O FIM DA LINHA para os homens". Para as mulheres NÃO!

    Coroa Curtidor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e mesmo depois de ser sustentada por um otário, ainda vai querer colocar banca de feminista, independente.

      Excluir
    2. Amigo Anon de 07/07 09:48, disseste tudo!!!
      Logo ela começará com os papinhos em cima do CUECÂO:
      "opressão do patriarcado..."
      "meu corpo minhas regras..."
      "Convido todxs para o aniversário dx mxu mxnha filhx..."
      E o otário, com aquela cara de bunda!!!

      Excluir
    3. Anon de 07/07 09:48, Resumiu um livro inteiro em algumas linhas... perfeito seu texto!

      Excluir
    4. Coroa Curtidor seria o Investidor Troll? Hahaha!!!
      Só falou verdades!

      Excluir
    5. O pessoal aqui fala como se toda mulher hipócrita fosse feminista. A real é que tanto de feminista que tem por aí é o mesmo tanto de conservadia "cristã" que paga de boa moça, vai na igreja vestida como quem vai pra uma festa e posta foto no Facebook mostrando as carnes com legenda "Jesus Cristo é o Senhor".

      Excluir
    6. "Entendam senhores: 'O fracasso financeiro e profissional É O FIM DA LINHA para os homens'. Para as mulheres NÃO!"

      Isso é verdade.

      Inclusive, na faixa etária em que estou, tô vendo isso acontecer com bastante frequência.

      A moça não consegue emplacar profissionalmente e diz que largou o trabalho para "cuidar da família", quando na verdade "cuida da família" porque não emplacou profissionalmente.

      Essa é uma válvula de escape a qual muitas mulheres podem recorrer, e homens não.

      Eu nem digo isso em tom de crítica. Queria eu ter uma válvula de escape dessas caso meu plano de ser financeiramente auto-sustentável desse errado, rs.

      Abraço a todos!

      Excluir
  2. Madruga, tenho que admitir que às vezes que passo no seu blog e leio essas histórias, você consegue arrancar sorrisos do meu rosto.
    Muito boa a forma que você escreve, inclusive as ironias usadas.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Soul! A satisfação é minha em tê-lo por aqui!

      Abraço!

      Excluir
  3. Faço das palavras do soulsurfer as minhas.

    Suas crônicas são bem escritas. Um humor levemente ácido para deixar mais leve a dura realidade cotidiana descrita.

    Uma dica: não se restrinja ao mundo de Vanessa. Escreva mais crônicas. Como método de transmissão de conhecimento, narrativas são imbatíveis.

    Abs Madruga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Termos Reais!

      Já tem outras crônicas além da Vanessa! No momento tem a do Reginaldo e a do Polegar Descontrolado.

      Mas conheço muita gente além dessas pessoas que são dignas de um post, rs. Quem sabe no futuro escreverei sobre elas.

      Abraço!

      Excluir
  4. Estou achando que sua namorada emprestou dinheiro pra moça. Mulher tem disso de perguntar vc dar opinião e ela fazer tudo ao contrário. Ela nem deveria perguntar sua opinião, só idiota empresta 14 mil pra endividado e desempregado que se afundou gastando com merda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anôn! Acho que não! Ela me mostrou print da conversa negando o empréstimo. Maaaas... mesmo se tivesse emprestado, o meu namoro é no regime de separação total de bens, rs.

      Abraço!

      Excluir
  5. Vish, esse negócio de emprestar dinheiro é foda...

    A patroa aqui emprestou deve fazer quase 1 ano uma grana pra uma amiga que é namorada de um amigo meu. Ela pediu pra pagar a matrícula da faculdade que começou a fazer. Pagou tudo certinho, parcelado obviamente, mas pagou.

    Só teve uma coisa que me deixou um pouco puto e até falei pra mulher não emprestar mais dinheiro. A amiga pagava, sei lá, uns 150 ou 200 por mês, mas todo mês tava de roupa nova e todo mês fazia uns negócios no cabelo que custavam mais de 200 reais.

    Será que não dava pra repetir uma roupa ou ficar pelo menos uns 2 meses sem mexer no cabelo?

    Inclusive essa moça veio há cerca de um mês pedir dinheiro emprestado de novo pra minha mulher. É complicado quando a pessoa não procura se esforçar pra não ter que passar mais por essa situação...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Wannabe!

      Que merda, hein? Eu sinceramente não entendo como as pessoas conseguem ser assim.

      Eu teria muita vergonha de pedir dinheiro emprestado pra quem quer que seja, e mais vergonha ainda se eu demorasse pra quitar a dívida.

      Mas enfim, pelo menos sua patroa recebeu a grana de volta...

      Abraço!

      Excluir
  6. Dependendo da idade e da beleza da moça, posso assumir a dívida com uma contraparte (espero ter ficado claro). Caso haja interesse dela, comunique.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria essa contraparte uma relação longa e duradoura seguindo fielmente todos os preceitos bíblicos? Rs.

      Excluir
  7. Mulheres !!! elas entram caem fácil na matrix.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mulheres são a Matrix. Pelo menos para o homem.

      Eu não acho que mulheres são sub-humanos nem nada, mas eu não consigo ter empatia por uma. A experiência de vida delas tão distinta da minha e da do homem médio que às vezes dá pra pensar que somos de espécies diferentes.

      Excluir
    2. Nunca fui mulher pra saber, mas é uma experiência completamente diferente mesmo. Tem facilidades e dificuldades que o homem não tem.

      Abraço!

      Excluir
  8. Apenas mais uma underachiever imersa na matrix, escrava do ciclo ganhar -> consumir -> ganhar -> consumir -> ganhar -> consumir, no caso dela com um ganhar atrofiado e um consumir hipertrofiado, isso explica o endividamento

    Tipico do brasileiro, que é criado pra ser ovelha

    Ser homem ou mulher ou traveco, nao ha diferença. Ate acho que vc ja fez mais cronica da matrix com homem do que com mulher

    Mais uma coisa eu posso te garantir: a mulher matrixiana esta muito mais exposta a compra de futilidades do que o homem matrixiano. O mercado de futilidades é bem mais direcionado a elas, e tambem as propagandas

    Mercado de futilidades:

    - decoração
    - estética
    - roupas
    - festinha de casamento
    - etc

    Tudo isso vendido e propagandeado como ~coisa de mulher~ e que homem matirixano olha e pensa nossa que futil

    Mas se fosse vendido como coisa de homem, o homem matrixiano cairia igualzinho na armadilha

    Pq o matrixiano é ovelha como eu disse

    Um ratinho de laboratorio sem vontade propria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem por aí mesmo. E como outro anônimo citou se for bonita ou mediana ainda há uma possibilidade considerável de algum homem assumir a mulher e suas dívidas.
      Principalmente no caso de mulher que tem ou teve convivência com homens de uma classe social superior a sua.
      Mas como você disse essse estilo de vida não é visto apenas em mulheres, em homens também, a diferença está apenas em para onde vai o dinheiro.

      Excluir
    2. Isso que vc falou de ganhar -> consumir -> ganhar -> consumir é um comportamento que nós aprendemos com nossos pais.

      Nossos pais vem de uma época que sem grande esforço dava pra arranjar um emprego que garante uma vida digna e permanecer nesse emprego até o fim da vida.

      Isso garante com que a pessoa entre nesse ciclo vicioso de gastar -> consumir sem se prejudicar.

      Mas, e hoje em dia?

      Hoje em dia o jovem que tem emprego tem que se considerar um cara de sorte.

      O problema da vanessa é querer viver como viviam seus pais, mas numa realidade completamente diferente! Uma realidade de 14 milhões de desempregados, e de nego se matando por emprego que paga uma mixaria!

      Excluir
    3. Que mundo da fantasia é esse Anôn 11:04? Que segundo você: "sem grande esforço dava pra arranjar um emprego que garante uma vida digna e permanecer nesse emprego até o fim da vida".

      Eu já tenho minha IF, mas a realidade dos meus avós e pais era bem diferente, eles também enfrentaram problemas. Esse facilidade de tempos passados é uma mentira.

      A vida corre em ciclos de bonança e trabuzana. Infelizmente para o jovem que pretende ingressar a vida profissional o cenário é desolador. Nisso concordo, o "jovem" (18 a 24) empregado pode se considerar sortudo. Vivemos tempos terríveis no Brasa.

      Não tem outra, é matemático, se você gasta mais que ganha, cedo ou tarde terá problemas. Viver a crédito é viver endividado.
      ---

      No mais, sou RENTISTA, e o Brasil é o paraíso dos rentistas. Obrigado! Todo dia devo agradecer a Dilma, ao Guido Mantega e ao Alexandre Tombini.

      Pelas minhas NTB-B 7,x%
      Tesouro Prefixado 16,x%

      É "triste" mais é REAL.
      Destruidor de Ilusões

      Excluir
    4. Não sou o anon 11:50. Mas acho que talvez ele tenha se referido a pessoas que se formavam em ensino superior ou tinham alguma profissão técnica, acredito que esses sim por não terem tanta concorrência na época conseguiam construir carreiras de forma mais tranquila.

      Para a população menos instruída, que era a grande maioria a vida sempre foi simples.
      Como até a década de 60, 70 no máximo aparentemente não existia o exibicionismo ou ostentação de alguns hoje, as pessoas se incomodavam menos em serem simples ou pobres e levavam vida assim mesmo "numa boa".

      Realmente quem vive baseado em dívidas não está de fato livre ou independente.

      Excluir
    5. Anon de 07 de julho de 2017,07:40,
      "Mercado de futilidades:
      - decoração
      - estética
      - roupas
      - festinha de casamento
      - pet shop
      - etc"
      Disse tudo, muito bom!!!

      Excluir
    6. Realmente todos os holofotes do mercado de futilidades estão voltados para elas. Tem todo um contexto histórico por trás disso, então não dá pra apontar o dedo pra ninguém chamando de fútil.

      Mas o mercado de futilidades está crescendo para homens também. Aliás, isso merece um post específico.

      Abraço a todos!

      Excluir
  9. Como o anônimo de cima falou: se ele for bonita, tem a grande a chance de encontrar um provedor. Acho que até sendo feia também, pois é o que mais vejo são caras assumindo mulheres horrorosas.

    Excelente crônica. Sempre acompanhando.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Cowboy!

      Ela é bonita sim, acho que não terá essa dificuldade.

      Abraço!!

      Excluir
  10. As pessoas hoje em dia vivem para ostentar. Querem demonstrar ter uma vida muito melhor do que a que realmente tem. Atualmente eu estou mantendo distância deste tipo de gente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bizarro, mas é verdade. Você nem precisa ser rico, basta aparentar ser rico, rs.

      Abraço!

      Excluir
  11. Olá Madruga!

    Assim como o Soul e Termos Reais, suas crônicas são muito bem feitas! Um belo humor!

    Continue mantendo-as!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. como dizia meu sábio avô: carro e dinheiro não se empresa p/ ninguém!

    ResponderExcluir
  13. Canal do Mundo - Rafachannel

    10 Coisas que Deixam as Pessoas mais Burras!
    https://www.youtube.com/watch?v=EoOQP5mFytw

    ResponderExcluir
  14. Conheço o perfil da vanessa:

    >aproveita a vida intensamente
    >gasta o dinheiro que quer gastar
    >quando a idade bater vai casar com beta
    >vai viver vida de classe média sem nunca ter feito nenhum esforço

    E vcs aí criticando a menina. Vcs se acham mais inteligentes que ela, mas inteigente é ela q vai ter vida boa sem esforço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...vanessa é bonitinha? eu topo ser esse beta

      Anon carente

      Excluir
    2. Anônimo 12:49 foi certeiro, direto ao alvo.

      A tal Vanessa é MULHER, e isso muda toda a dinâmica, ela que é a VENCEDORA no fim das contas.

      A REAL veio para salvar alguns homens de ciladas. Viva a REAL!

      Essa do CUECÃO foi hilária.

      Excluir
    3. Até concordo com a parte de que sempre terá um trouxa sustentando uma mulher assim. Discordo, porém, que esta seja uma vida boa. É melhor do que viver na miséria, mas não é o ideal de vida de ninguém.
      Após arrumar um otario, ela terá de aguentá-lo, gostando ou não dele. Dependerá dele para cada centavo gasto e só poderá deixá-lo quando já tiver um plano B (outro otário) preparado.
      No fundo, será tão escrava do marido quanto o marido será tapeado por ela.
      É uma história sem vencedores.

      Excluir
    4. Bem comentado anon 10:31 no fim das contas é um enganando o outro e os dois fingindo que está tudo certo. Também não vejo vencedor num cenário desses.

      Excluir
    5. Concordo com todo mundo, inclusive o Anôn das 10:31. Não conseguiria ser feliz dependendo do dinheiro dos outros. Mas isso vai da criação de cada um, e certamente tem muita gente por aí que vive a depender do dinheiro dos outros sem o menor pudor (o post sobre Crianças de 30 anos que o diga).

      Abraço a todos!

      Excluir
  15. Ótima cronica Madruga, como sempre.

    Abs
    Astro

    ResponderExcluir
  16. HUAHUAHAUUHA

    PQP, como eu conheço gente assim.

    Eu acho que engraçado que no trabalho o celulares identificam o cargo do cara. Eles simplesmente são inversamente proporcionais a quanto o cara ganha.

    Os de nível superior, eu incluso, tem uns moto g, sansumg +- e celulares na mesma faixa mediana até uns 500-700 reais. Os técnicos tem Moto X, Galaxy A5,A9 e outros celulares que custam mais de 1000 reais. Já os estagiários tem IPhone 6 e tem um aqui que já apareceu com o Galaxy S7, não me pergunte como. Aí chega o gerentão que deve ganhar uns 20k por mês e tira aquele celular todo ferrado da Nokia que já deve ter uns 5 anos de uso.

    E aí?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenso! Tô vendo que esses estagiários terão um futuro brilhante...

      Abraço Baiano!

      Excluir
  17. Eae Madruga, conheço algumas "Vanessas" e também falarei mais sobre a trágica trajetória destas. Apesar que, conforme uns anons comentaram conheço algumas que engravidaram de juizes e empresários e a vida melhora a cada dia, rs... Sério mesmo, pensando bem, 50% encontram "o amor de suas vidas" e tudo dá certo, kkkk. E eu aqui trabalhando igual um escravo pra ver se sobra algo pra aportar, é a vida..

    Vlw!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É foda, Lorde. Cada um se vira com as armas que tem, rs.

      Abraço!

      Excluir
  18. um retrato fidedigno da sociedade brasileira atual.

    ResponderExcluir
  19. Muito bom esse tipo de post. Ri do início ao fim kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  20. Kkkk rachei de rir Madruga, excelente.

    Infelizmente este é o retrato da sociedade do 'feici'.

    Abraçao

    ResponderExcluir
  21. Madruga sua escrita é muito boa! Por favor, não deixe de escrever a parte 3 da história da Vanessa. Entro diariamente no blog porque seu senso de humor é show. Entro pelas dicas da finasfera tb claro, mas depois da história das secretárias eu nunca mais deixei de entrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anôn! Que bom que gosta! O problema de entrar diariamente aqui é que eu não crio conteúdo diário, rs. Quem sabe após eu alcançar a independência financeira, eu comece a escrever todo santo dia.

      Abraço!

      Excluir
  22. Seu Madruga, ta muito bom essa historia. Quero saber o final haha. Cara, essa Vanessa tem problemas, esse consumismo pode ser caso de psiquiatra.

    Abraços do Brasileiro na Arábia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Brasileiro na Arábia! O final dessa história ainda não aconteceu, rs. Daqui a um ano mais ou menos, talvez eu tenha coisa nova pra contar.

      Veremos.

      Abraço!

      Excluir
  23. Muito boa sua crônica Madruga, parabéns !

    Eu conheço uma "Vanessa" que me confidenciou uma vez que seu objetivo de vida era parar de trabalhar para viver vida de madame. Ora, pensei comigo: "Essa aí com certeza vai se dar bem na vida, pois o que não falta é beta trouxa que cai por encantos com mulheres como esta que lhe dilapam o patrimonio".

    Enfim, engraçado como temos mais casos com mulheres "Vanessa" do que com homens, pq será ?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Enfim, engraçado como temos mais casos com mulheres "Vanessa" do que com homens, pq será ?!"

      Ao meu ver, simplesmente porque ainda não é tão comum na nossa cultura a figura da mulher provedora do marido, mas se isso com o tempo for sendo melhor aceito, muitos Vanessos surgirão.

      Excluir
    2. Olá, Poney! Conheço bastante gente assim.

      Conheço mais de uma pessoa que terminou a graduação junto comigo e foi direto pro casamento viver vida de madame.

      Nunca nem tentaram arranjar um trabalho!

      Ocuparam a vaga de alguém numa universidade federal, gastaram dinheiro público, pra no fim das contas se tornar um ser improdutivo! Porra! Gente assim deveria ser obrigada a indenizar o Estado!

      Abraço!

      Excluir
    3. Anôn 13:52, tem razão. Mas me parece que vai demorar MUITO até isso se tornar mais aceito.

      Já aceitam casamento entre pessoas do mesmo sexo, adoção de crianças por casais homossexuais e um monte de coisas mais, mas ainda olham torto pro homem dono de casa, rs.

      Abraço!

      Excluir
  24. Fala Madruga, essa daí deve ser aquelas frequentadoras de festa de sertanojo universitário,sabe aquelas festas cheias de pessoas vazias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Conde! Como vai?

      Acertou em cheio, rs.

      Abraço!

      Excluir
  25. "Ela pediu dinheiro emprestado à minha namorada para que conseguisse continuar pagando as parcelas. A Madruguete quis minha opinião sobre o assunto e eu fiz uma longa exposição que pode ser resumida em "não empresta senão vai dar merda", e felizmente ela me escutou."

    PQP, Madruga. Sua namorada precisa jurar de pés juntos que não emprestou mesmo este dinheiro à Vanessa. Senão indiretamente quem vai acabar assumindo o prejuízo é você. Afinal, não espere que a Vanessa vai pagar de volta (empréstimo para parente não é empréstimo, é doação), e se sua namorada precisar deste dinheiro, você é quem vai acabar tendo que cobrir o prejuízo. Bancar vagabundo(a) já é péssimo, mas bancar vagabundo(a) assumido(a) é o fim do mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anôn! Felizmente ela não emprestou! Mas se tivesse emprestado, seria um erro só dela, eu não iria assumir esse prejuízo nem pelo caralho, rs.

      Ela tem grana guardada, mesmo que emprestasse esse dinheiro, ainda sobraria uma bela grana.

      Mas como eu disse, ela não emprestou.

      Abraço!

      Excluir
  26. Eu acredito em direito à escravizar como modo de pagar dividas. Algumas pessoas só aprendem com a dor.

    Se sua namorada emprestar, nunca mais recebe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande CF! Na minha opinião, a lei protege demais o devedor.

      Existe uma lista de bens que a lei considera impenhoráveis que inclui basicamente tudo de útil que daria pra penhorar pra conseguir cobrar uma dívida (imóvel bem de família, salário etc).

      E pra agravar a situação, a justiça cria interpretações que amplia ainda mais essa lista de bens.

      Assim fica difícil!

      Mas enfim...

      Abraço!

      Excluir
    2. Isso era comum na Babilônia, segundo o melhor livro de finanças pessoais já escrito.

      Excluir
  27. O que mais tem é pessoa como a Vanessa, querendo aparecer sem ter nada e prejudicando os pais, ainda por cima. o mais terrível disso é que possivelmente a pessoa nunca vai mudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Beto.

      Acho que Vanessa está condenada a passar o resto da vida a viver em um estado de dependência ou semi-dependência de uma outra pessoa. No momento são os pais, futuramente será um marido, enfim...

      Abraço!

      Excluir
  28. Sr Madruga, amo as suas crônicas e já estou ansiosa pela continuação. A advogada esta "igualzinha" ao meu cunhado que mora com os pais (pagam carro, seguro, plano de saúde, cartão) e ainda fala que tem que trocar o carro um Ford KA 2015 por um carro com mais presença, realmente é rir para não chorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônima! Vamos juntar a Vanessa e o seu cunhado? Desastre garantido, rs.

      Abraço!

      Excluir
  29. Sucesso a Qualquer Preço – Nossa Vida
    “Quando morrer vai se arrepender das coisas que não fez. ”

    Essa é uma das frases que marcam a minha vida. Todos almejamos fazer alguma coisa na vida, caso contrário, não haveria razão para continuar vivendo. Os objetivos são colocados na mesa e direcionamos nossas energias nessa direção, evidente que cada direção tomada implica na renúncia de diversas outras direções.

    E esse é o ponto fundamental: Se tivesse feito isso e não aquilo, como EU estaria hoje?

    Não tenho do que reclamar, tomei diversas decisões ao longo da vida, hoje apenas avalio resultados. E reflito fortemente sobre minha incansável busca pela IF. Já tenho um patamar financeiro considerável, aos 36 anos. Mas hoje não sei se devo seguir ou se realmente chegou a hora de “meter o louco”.

    O tempo foi passando e tenho pensado: “Porque NÃO faço, enquanto tenho condições físicas, financeiras, psicológicas, para fazer o que quero”?

    Existe um inferno na terra? Sim. Eu não pretendo viver nele.

    "Se acha que algo a ser feito, vá lá, faça o que for".

    As coisas andam, tudo progride, com ou sem você. Diria o filosofo: “ A única constante na vida é a mudança”. A transição (para bem para o mal), como em uma roda gigante: por vezes você está no topo, a roda gira, e logo estas por baixo.

    Carrego comigo as as boas experiências, e mesmo as ruins, não importa são minhas, e dizem o foi minha vida.
    Um filme em tempo real, não é possível voltar e viver o acontecimento novamente, mas ele está no seu pensamento.

    Vou dizer o que? Minha VIDA.

    Onde está o momento?
    E de tenho tanto medo?
    Por quê?

    Desculpe, descobri o blog nesse instante. E em um momento de inspiração escrevi esse texto que não possui nexo com o post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anôn! Gostei do texto!

      Eu tento conciliar aportes e viver a vida. Acho que a gente deve buscar a independência financeira, mas não acho que a gente deve se abster de viver a vida em busca disso, pois o tempo que a gente tem na terra é tão importante quanto o dinheiro.

      A questão reside no que é "viver a vida". O que é isso, afinal? Tem gente que acha que viver a vida é ficar na frente do computador jogando jogos online, outros acham que é ter sempre o carro do ano e o celular do semestre.

      Viver a vida é um conceito relativo, portanto.

      Então o importante, no fim das contas, é criar seu próprio conceito de viver a vida, preferencialmente um conceito que não entre em choque com a busca pela independência financeira.

      É o que eu tenho tentado fazer.

      Abraço!

      Excluir
    2. Glengarry Glen Ross

      Excluir
  30. Minha ex-mulher é uma espécie de vanessa piorada, visto que além de fútil e consumista, também é estelionatária. Ainda bem que me livrei dessa desgraçada a tempo...
    Ótima crônica. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita! Que bom que se livrou dela, então. Espero também que tenha se livrado de obrigação de pagar pensão, pois ninguém merece ter que bancar esse tipo de gente.

      Abraço!

      Excluir
  31. Madruga,

    Seus posts são muito bem escritos, parabéns. Também conheço uma história no qual os pais sustentam parasitas sociais como a Vanessa. Vou tentar descrever esta história no meu blog em breve.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Aportador Financeiro!

      Escreve lá que eu lerei!

      Abraço!

      Excluir
  32. Muito bom Seu Madruga! Como comentou o VdC, não adianta discutir com a Matrix. Alguns aprendem depois do primeiro tombo. Outros precisam de muita porrada para aprender. Alguns nunca aprendem. Essa aí parece que vai viver no mundo da lua pro resto da vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Investidor de Risco! Concordo com vocês. Eu nem discuto, apenas observo e acho graça, rs.

      Abraço!

      Excluir
  33. fala seu madruga preciso de uma opiniao sincera
    ja ouviu falar de imoveis em leilao da caixa ?vale apena ?sabe se tem dor de cabeca com isso ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Anôn! Com certeza já ouvi falar, mas tenho pouca experiência com leilões. Dá uma olhada no blog Pensamentos Financeiros no meu blogroll, ele tem posts em que fala especificamente sobre leilões.

      Abraço!

      Excluir
  34. É bonita? Se for já já alguém chega pra bancar rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, sim, acho que consegue um patrocinador, rs.

      Abraço!

      Excluir
  35. Olá, Seu Madruga!

    Adoro essas crônicas! Quanto a essa Vanessa, infelizmente, muita gente até se suicida quando vê que as dívidas são insustentáveis e não dá mais para alimentar as aparências.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jacqueline.

      Que bom que gostou!

      Realmente, isso que você disse me lembrou aquele cara no Rio que jogou os filhos pela janela de um prédio e depois se jogou, porque não tinha mais condição de sustentar o padrão de vida que eles tinham. Isso foi ou nesse ano, ou no ano passado, não lembro ao certo.

      Tenso!

      Abraço!

      Excluir
  36. O Brasil está entupido de Vanessas desse tipo. E Vanessos também. Pessoal vai levando do jeito que dá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Frugal. Ignorância financeira não tem gênero.

      Abraço!

      Excluir
  37. Madruga,

    Sua escrita é muito prazerosa de se ler.

    Lendo o texto relembrei muito bem minha época de facebook, que não tenho mais já há um bom tempo. Parece mesmo uma realidade paralela, onde todos são bem sucedidos, politicamente sensíveis, fitness, amantes dos animais, evoluídos intelectualmente e plenamente felizes. Nem parecem gente de verdade, rs.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho Facebook (embora não use) porque gosto de observar essas pessoas. Facebook é pura projeção do que essas pessoas gostariam de ser. Ridículo.

      Abraço!

      Excluir
  38. Na verdade .. Eu penso que advogado é para ser amigo mesmo e pronto , porque ter uma relação com o pessoal desse é para fuder com qualquer um .. Estão acostumados a "mentir" e viver de aparências técnicas .. Tem certos advogados que se dão bem na vida , uma minoria diga-se de passagem .. Os que conseguem e se matam para tentar um concurso até se dão bem .Mas o restante se fode !
    Se uma guria diz para mim que é advogada eu corro mil KM , não fico mesmo .. Odeio essa profissão !
    Principalmente se o sonho for ser "delegada de polícia" .. fala sério .. Juíza ..
    O salário é bom e a cabeça fica sempre a prêmio , porque vivem julgando ou tendo contatos com marginais ..Tô fora dessa gente ai ..
    Assumem a visão de ser "conCUrseiro " na real não fazem nada de produtivo da vida enquanto isso os pais tem que ficar arcando com TUDO !!!
    Já fiz um comentário que quero sair de casa o quanto antes , mas com a cabeça no lugar .. Para não voltar com o rabo no meio das pernas .. Tem que sair para não voltar mais ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A triste realidade é que a absoluta maioria dos que se dizem concurseiros não vão passar em concurso algum. Essa é a verdade. É uma indústria criada com base na esperança, que para a ampla maioria das pessoas envolvidas não vai se tornar realidade. Coisa de louco!

      Excluir
  39. Ótima crônica madruga. Estava com saudades do blog.Falastes a mais pura verdade, sorte dela ser mulher...

    ResponderExcluir
  40. Essa mulher é o maximo da mulher independente e empoderada que não precisa de homem pra nada hauhauhauhauh

    Anon que ri da Vanessa eternamente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que nas redes sociais ela viver de passar a imagem de empoderada independente. Vai entender...

      Excluir
  41. Banania: país aonde advogados brigam pela clt mas nao contratam pela clt; país aonde bancos tentam empurrar imoveis para venda mas alugam suas agencias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tocou bem na ferida, rs. Esse negócio de escritório poder contratar advogado sem ser pela CLT é a mais hipocrisia do universo.

      Excluir
  42. E quanto a minha situação?
    Acompanho a blogosfera de finanças a algum tempo. Antes lia textos do "Vida ruim de Pobre", e agr prefiro ler seus textos. A minha situação é a seguinte. Me encontro no sétimo período do Curso de Direito em uma uniesquina aqui da cidade (capital nordestina). O ensino superior público aqui (pelo menos aqui), ao contrário dos Estados do sul, é uma verdadeira lástima, muitas vezes não tem aulas nas universidades, os professores não dão aulas, e ainda tem os períodos de greve. Esses fatores me levaram (e geralmente levam alunos provenientes do interior) a estudar em faculdades privadas, principalmente nas capitais. Escolhi uma faculdade (uniesquina) "renomada" da região, conhecida por ser a melhor dentre as demais uniesquinas (é o que dizem). Vim do interior do Estado pra estudar aqui na capital, curso direito (bolsista do Fies), atualmente estou estagiando em um escritório de advocacia, recebo um salário mínimo, e estou a dois anos de me formar. Tenho uma proposta de emprego nesse escritório, salário pra advogado aqui é de 2k. Prazos eleitorais (corridos), muita aporrinhação. Por outro lado, meu pai tem uma empresa, que já rendeu um bom dinheiro a muito tempo (ainda rende, mas não tanto), o rendimento da empresa foi caindo com o tempo pois meu velho foi caindo em golpes, tenho um irmão mais velho que enganou meu pai em uns empréstimos (altos). Essa empresa fica na minha antiga cidade (50k de habitantes), hoje meu pai está saturado, com idade já avançada, mas pra continuar ter que pagar financiamentos e emprestimos ele ainda tem que e manter de pé, pois perdeu o dinheiro (não investiu, se é que pode chamar de investimento mesmo, já que os juros são absurdos). Mensalmente a renda bruta dessa empresa gira em torno de 10-12k, antes chegava a 20-25k (em torno de cinco funcionários, fora meu pai), hoje ele trabalha sozinho lá, pois está quebrado e tem que dar conta das parcelas dos empréstimos. Resumindo, tenho duas possibilidades, tento a vida como advogado, ou tento reerguer a empresa junto com meu pai?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Situação complicada, Anôn, especialmente porque envolve viver em duas cidades diferentes e eu não sei qual delas você prefere.

      Mas, analisando estritamente sob a ótica profissional, acho importante você averiguar se esse escritório que você está (e que paga R$ 2k/mês) tem alguma perspectiva de crescimento. Pelo que sei, muitos escritórios não oferecem perspectiva de crescimento algum: apenas sugam o recém-chegado até ele não aguentar mais a estagnação profissional e pular fora.

      Outro fator que você deve levar em consideração é se você tem ou não potencial pra advocacia, caso seja necessário sair do escritório que paga R$ 2k e seguir carreira solo, ou até mesmo criar um escritório com outras pessoas.

      Você tem muitos amigos, Anôn? É bom com networking? Tem disposição para comparecer em eventos pra puxar papo com estranhos e vender seu peixe? Tem paciência para lidar com funças que trabalham na velocidade de um caracol paraplégico? Essas são coisas que podem ajudar na sua carreira.

      São questões que só você sabe a resposta, então só você pode decidir.

      Eu, particularmente, só levaria esse lance da advocacia a sério se eu acreditasse no meu potencial de seguir carreira solo ou ser sócio de um escritório com outras pessoas. Se for pra seguir carreira na advocacia pensando em trabalhar eternamente para enriquecer os outros, aí eu iria ajudar o pai no interior a tentar reerguer a empresa.

      Abraço!

      Excluir
  43. Sinceramente, eu tenho desejo de advogar. Mas não detenho das competências necessárias pra isso, até então penso em desenvolver com o tempo, sou inseguro demais, não tenho muitos amigos não. E não, o escritório em questão não proporciona espectativa de carreira, de forma alguma, a cara do escritório e nome é do proprietário. Tanto que os advogados, são apenas quatro, não tem carteira assinada, são tratados como "freelancer", sou o único estagiário, e meu trabalho consiste em fazer petições, tenho alguns processos mais simples pra acompanhar, e as vezes fazer algumas diligências. A função basica do trabalho lá é ficar atras das cortinas mesmo, peticionando e levando pro chefe assinar... Até o momento, o único advogado que persiste já a um tempo, tem filha, e precisa de um dinheiro certo todo mês, apesar de faturar relativamente bem por fora, mas ele é da cidade, tem conhecidos e amigos que ajudam captar clientes (boca a boca), eu não sou da cidade, não conheço ngm, a realidade dos fóruns aqui é uma decepção, os servidores só conversam e trocam mensagens pelo celular, redes sociais e afins. Eu penso em passar uns dois anos lá aportando parte do salário (miséria) e ir embora depois. Apesar de não serem tantas, vulto econômico das ações é alto, o que de certa forma não deixa o trabalho tanto estressante, pois não são muitos processos. Pelo que você disse, não tenho essa certeza, inclusive já me disseram aqui (advogada que ja saiu pra estudar pra concurso até), que eu não tenho jeito pra advogar, mas penso mais em adquirir esse jeito com o tempo. O problema que pensando assim, é uma forma de arriscar o futuro mesmo. Meu estágio la são dois turnos, quando estudo é nos fds, e madrugada. Quanto a cidade, prefiro a capital, a cidade do meu pai (e família), é praticamente um chiqueiro, muito suja, muita gente ignorante, muitas empresas vivem de convenios superfaturados com a prefeitura, cargos fantasmas, uma verdadeira festa com o dinheiro público. Sobre a empresa do meu pai, ele presta serviços de assistencia tecnica pra empresas de garantia estendida, essas fabricantes de televisores... Presta serviço no estado todo, recebe todo tipo de apararelho pra consertar. Na região, de nome mesmo, só há ele, a empresa é bem grande em tamanho, armazenagem de aparelhos, mas não sei ao certo sobre o futuro desse ramo, tenho receio desse lance de "autorizada" de aparelhos eletrônicos acabar um dia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...